como surgiu o plastico

Plástico: história, aplicação, tipos e propriedades

Criado no começo do século vinte, o plástico se tornou um material usado em todo o mundo, para inúmeras finalidades, e tema de discussões sobre suas vantagens e desvantagens.

História do Plástico

Para começar, o primeiro plástico sintético foi desenvolvido no início do século XX, e registrou um desenvolvimento acelerado a partir da década de 20. Relativamente novo em sua singularidade, se comparado a outros materiais como o vidro e o papel, passou a estar presente em grande parte dos nossos utensílios, ajudando na higienização de quase tudo que é doméstico, além, é claro, do barateamento de grande parte dos produtos (agora compostos por plástico).

O primeiro plástico se origina de um concurso realizado em 1860 nos Estados Unidos, quando ofereceu $10.000 para quem produzisse um substituto para o Marfim, visando a fabricação de bolas de bilhar.

Celuloide foi o plástico inventado, fazendo apenas evoluir a partir de então. Celuloide, cabe lembrar, é produzido pela dissolução de celulose, um hidrato de carbono obtido a partir de plantas em uma solução de cânfora e etanol. Com ele começou a fabricar diversos objetos, como identificadores de faca, quadros, lentes e cinema. Tamanho foi o impacto da celuloide que, sem o tal material, a indústria cinematográfica não teria sido capaz de se iniciar no final do século XIX. Celuloide, cabe ainda dizer, recebe a designação de termoplástico.

tipos de plastico

Os resultados alcançados com o primeiro plástico incentivaram os produtos químicos e a indústria a procurar outras moléculas simples que possam ser ligadas a ponto de criar polímeros. Na década de 1930, foi descoberto que o gás etileno polimerizava sob ação do calor e pressão, formando um termoplástico chamado de polietileno (PE).

Outro plástico desenvolvido na década de 30, na Alemanha, foi o poliestireno (PS), um material muito transparente normalmente usado para a confecção de vasos e panelas. Poliestireno expandido (EPS), uma espuma rígida e branca, é usado basicamente para isolamento térmico e embalagens, coisa bastante encontrada em caixas de papelão onde os produtos são acomodados em transporte pelo país ou para fora do mesmo.

Também na década de 30 o nylon foi criado, a primeira fibra artificial. O químico Walace Carothers foi o responsável pela descoberta. Ele descobriu que dois produtos químicos como o ácido hexametilenodiamina e adípico poderiam formar um polímero que, em suma, adquiria uma forma trançada, quer dizer, segmentos que sobrepunham uns aos outros como em uma rede. Seu primeiro uso se destinou à fabricação de paraquedas para as forças armadas dos EUA durante a Segunda Guerra, expandindo rapidamente para a indústria têxtil na fabricação de meias e outros tecidos.

Na década de 90, principalmente no que tem a ver com a embalagens, ou seja, garrafas e frascos, desenvolveu-se rapidamente o uso o de tereftalato de polietileno (PET), material que vem angariando muito dinheiro para a indústria, criando desenvolvimento para além do seu campo, no do vidro e do PVC, diversificando o mercado de embalagens.

Propriedades e características

O plástico, em suma, vem das resinas derivadas do petróleo e pertence ao grupo dos polímeros (moléculas muito grandes, com características especiais e variadas). A palavra plástico tem origem grega e significa aquilo que pode ser moldado. Além disso, uma importante característica do plástico é manter a sua forma após a moldagem. Possuidores de excelentes propriedades, os plásticos são materiais de embalagem extremamente versáteis. O plástico pode ser rígido ou flexível, transparente ou opaco, resistente à umidade ou solúvel em água, as possibilidades são quase infinitas.

Aspectos da produção do plástico

Existem dois processos que são os mais importantes para que seja possível proporcionar a fabricação do plástico de forma eficaz, sendo estes a polimerização e a policondensação. Cada polímero terá a sua propriedade, assim como estruturas e tamanhos necessários para auxiliar na fabricação do produto. Um processo de fabricação de plástico pode ser identificado na seguinte simplificação: Preparar a matéria-prima, realizar os processos de polimerização, processar os polímeros em resinas de polímeros finais, fabricar produtos com o acabamento necessário.

Aplicação do plástico

Garrafas de bebidas, embalagem de alimentos, de cosméticos e de remédios; chapas; folhas e películas. Eletrônicos: peças de computador e engrenagens. Medicina: tubos para hemodiálise e seringas. Peças Técnicas: telas para pneumáticos. Filmes, laminados, solados de calçados, brinquedos, embalagens para remédios, mangueiras, tubulação para água e esgoto, revestimento de fios e cabos, cateteres e bolsas de soro.

Tipos de Plásticos

São, basicamente, divididos em termoplásticos e termorrígidos, sendo, respectivamente, recicláveis e não recicláveis a altas temperaturas. Dito isto, eis os diferentes tipos de plásticos:

  • PET ou PETE (tereftalato de polietileno)
  • PEAD (polietileno de alta densidade)
  • PVC (Policloreto de Vinila)
  • PEBD (Polietileno de baixa densidade)
  • PP (Polipropileno)
  • PS (poliestireno)

Reciclagem

A reciclagem de plástico consiste, basicamente, em três processos: Coleta e separação, revalorização e, por fim, transformação.

como surgiu o plastico

  • Coleta e separação: é a separação dos resíduos de acordo com o seu material.
  • Revalorização: é a fase na qual o material já separado passa por um processo que faz com que ele volte a ser matéria-prima.
  • Transformação: fase em que o material transformado em matéria-prima gera um novo produto.

Mas e quanto aos tipos de reciclagem? Existem três tipos de reciclagem, que geram diferentes tipos de produtos e benefícios:

Reciclagem Mecânica

É o método mais comum. Ele consiste em transformar os plásticos (tanto os oriundos de sobra industrial – sobras virgens do processo produtivo – quanto os descartados pós-consumo – materiais recuperados no lixo por meio da coleta seletiva) em pequenos grânulos, que podem ser utilizados na produção de novos materiais, como sacos de lixo, pisos, mangueiras, embalagens não-alimentícias, peças de automóveis, entre outros.

Reciclagem Química

O modelo mais elaborado, que reprocessa os plásticos para transformá-los em materiais petroquímicos básicos, que servem de matéria-prima para a criação de produtos de elevada qualidade.

Reciclagem Energética

Consiste na reciclagem de plásticos por meio de sua transformação em energia térmica e elétrica, através da incineração, permitindo o aproveitamento do poder calorífico armazenado nos plásticos. Além do mais, permite também que os plásticos sejam aproveitados como combustível.