coleta seletiva

Lixeiras Seletivas e suas cores

A escala de cores das lixeiras seletivas é algo importante e segue um determinado padrão: a cor azul para papéis, vermelho para plásticos, verde para vidros, amarelo para metais, preto para madeiras, marrom para resíduos orgânicos e cinza para resíduos gerais não recicláveis.

O que são lixeiras seletivas?

Antes vale falar o que é coleta seletiva. Coleta seletiva ou recolha seletiva é o termo utilizado para o recolhimento dos materiais que são possíveis de serem reciclados, previamente separados na fonte geradora.

Dentre estes materiais recicláveis podemos citar os diversos tipos de papéis, plásticos, metais e vidros, convertidos posteriormente em nova matéria-prima utilizável. Então, tratando-se sempre de separar os materiais descartados, deve-se fazer tal coisa a fim de evitar a contaminação dos materiais reaproveitáveis, aumentando o valor agregado destes e diminuindo os custos de reciclagem.

Sabemos que, diariamente, nossas cidades produzem milhares de toneladas de lixo. Como organizar tal bagunça sempre foi um ponto a ser discutido entre ambientalistas e demais interessados da área.

Aliás, tamanha quantidade tem aumentado drasticamente com o passar dos tempos, uma vez que a ascensão social de grande parcela da população promoveu e muito o consumo de produtos, bens e serviços e, consequentemente, gerou também um grande aumento na quantidade de resíduos urbanos produzidos. Esse montante de resíduos gerados tem sido um dos maiores problemas para gestores públicos, visto que as soluções encontradas nem sempre são suficientes para resolver o problema.

coleta seletiva

Dessa forma, para além de auxiliar o problema de resíduos descartados equivocadamente, foram criadas as lixeiras seletivas, meios de separar o lixo, assim possibilitando alguma ordem, visando pensar em uma determinada solução para cada “problema”. Cada lixeira então teria a função específica de recolher um determinado tipo de lixo. Os principais materiais passíveis de reciclagem são: plásticos, vidro, papéis e metal.

Lixo orgânico, contudo, não é deixado de fora, apesar do seu caráter não-reciclável. Para que seja realizada a separação desses materiais de maneira correta, devemos adquirir tais lixeiras para coleta seletiva que seguem o padrão de cores do CONAMA.

Importância das lixeiras seletivas

Qual a importância das lixeiras para uma coleta seletiva de lixo? Para uma reciclagem eficiente é necessário que também haja uma correta separação de resíduos. Por isso, desenvolveu-se o método de lixeiras de diferentes cores, cada uma para um tipo de resíduos, a fim de ajudar as pessoas a identificar e separar corretamente o seu lixo.

Plásticos, papéis, metais e vidros são materiais reutilizados por empresas na fabricação de outros produtos ou de matéria-prima. A coleta seletiva gera economia para empresas, reduz a poluição ao meio ambiente e acelera o desenvolvimento sustentável do planeta, além, é claro, de promover um ciclo saudável de reaproveitamento na confecção de novos produtos.

As lixeiras seletivas não fazem parte apenas do cenário de escolas e locais públicos; elas também podem estar presentes na sua casa, ajudando-o na contribuição, reaproveitamento e reciclagem do lixo.

Cores das lixeiras seletivas

Para ajudar a população a separar o lixo corretamente, cada lixeira tem uma cor que identifica o tipo de resíduo que deverá receber. Essa separação, classificação deriva do modo como nos, ser humanos, pensamos, isto é, somos seres que gostam de se guiar por padrões. Pensamos de forma padronizada, tentamos estabelecer uma vida pragmática, sendo isto sinônimo de qualidade. Dito isto, as lixeiras seletivas apenas evidenciam a forma consciente de nossos hábitos. Sem mais delongas, tais são as classificações:

cores das lixeiras seletivas

  • Verde (vidro): Potes; Garrafas; Frascos de produtos alimentícios.
  • Vermelho (plástico): Tampas; Embalagens de higiene e limpeza; Garrafas PET e de plásticos; Tubos vazios de creme dental; Discos de CD ou DVD; Utensílios como: escova de dentes, canetas etc.
  • Amarelo (metal): Papel alumínio limpo; Talheres de aço; Latas; Fios; Panelas; Pregos, parafusos e similares; Geladeiras.
  • Azul (papel e papelão): Cartões; Cartolinas; Cadernos; Envelopes; Jornais e revistas; Papéis impressos.
  • Preto (madeira): Pallets; Caixotes; Galhos de árvores e restos de tronco; Restos de madeira (pintadas ou envernizadas).
  • Laranja (resíduos perigosos): Pilhas; Baterias.
  • Branco (resíduos ambulatoriais): Resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde.
  • Marrom (lixo orgânico): Restos de comida; Cascas de frutas; Outros resíduos orgânicos.
  • Roxo (resíduos radioativos): Seringa; Papel absorvente; Líquidos derramados como urina e fezes; Frascos vazios ou não de substâncias químicas; Qualquer resíduo químico proveniente de análises clínicas.
  • Cinza (lixo contaminado, não reciclável): Papel higiênico; Papel carbono; Fraldas descartáveis; Embalagens de plástico metalizadas; Espelhos; Latas de tinta; Cerâmicas; Caixas de leite (apesar de recicláveis, o custo é inviável); Embalagens de aerossóis; Esponjas de aço.

Apesar do número de lixeiras, é mais comum encontrá-las nas cores verde, vermelho, amarelo e azul. Algumas empresas adotam um sistema de separação de resíduos em três tipos: resíduos orgânicos, recicláveis secos e rejeitos.

As medidas para um planeta mais sustentável são possíveis com a colaboração de todos. Economizar energia e água, reaproveitar cascas de legumes e frutas, escolher produtos com embalagens retornáveis, usar produtos biodegradáveis, além da correta separação do lixo são algumas das medidas que todos nós podemos adotar.